Peripheral possibilities: revealing originality and encouraging dialogue through a reconsideration of ‘marginal’ IR scholarship

O membro de nossa rede, Lucas Grassi Freire, em conjunto de Helen Louise Turton, publicou o artigo “Peripheral possibilities: revealing originality and encouraging dialogue through a reconsideration of ‘marginal’ IR scholarship”, na última edição do periódico Journal of International Relations and Development.

Segue o resumo do artigo para aguçar a curiosidade:

This article presents a framework for revealing the original contributions of certain forms of ‘peripheral’ IR scholarship and for encouraging dialogue between ‘core’ and ‘peripheral’ scholars. Often, peripheral research is dismissed by the core for being, presumably, a ‘mere copy’ of ‘core scholarship’. Our framework, however, provides a means of re-evaluating peripheral scholarship that, at first, may seem ‘similar’, in order to reveal the differences and, at times, even resistant scholarly moves. We apply three abstract propositions (hybridity, mimicry and the denationalisation of ideas) that help spell out the original character of these ‘similar yet different’ peripheral contributions. What results is an affirmation of the potential for novelty on the periphery of IR, a perception that, firstly, restores agency to marginalised subjects; secondly, it highlights the relevance of their contribution to the discipline; and thirdly, it encourages dialogue with the core. The article examines how the framework presented here can operate as a series of possibilities to be adopted by peripheral scholars in order to generate dialogue and intellectual exchanges with the core, with the hope that such exchanges may begin to alter the present asymmetrical power relations.

Para mais informações, acessem: http://www.palgrave-journals.com/jird/journal/vaop/ncurrent/abs/jird201424a.html#aff1

Publicado em Contribuições da Rede | Marcado com , | Deixe um comentário

Conversações Interculturais no Sul Global: Descolonização, Direitos culturais e Política em debate

 

 

 

CONVERSAÇÕES INTERCULTURAIS NO SUL GLOBAL: Descolonização, Direitos Culturais e Política em Debate pretende ser um espaço para encorajar a comunidade acadêmica e o público em geral a discutir problemas específicos do Sul Global, especialmente da África e da América Latina, desde o referencial teórico descolonial.

O pensamento pós e descolonial indica que a colonialidade continua presente nas relações políticas, sociais e econômicas, mas sobretudo na forma como se constrói e se adere ao conhecimento. Portanto, pressupõe que o colonialismo não é um fenômeno superado do passado histórico, mas uma marca da contemporaneidade, que permanece recalcada.

Esta perspectiva teórica tem adquirido relevância acadêmica nas últimas décadas, porque propõe uma ruptura com as formas dominantes de compreender e de se relacionar com o mundo, reivindicando a necessidade de um processo de descolonização em diferentes níveis. Por essa razão, implica a desobediência epistêmica, como uma maneira diferente de compreensão, que desafie a hegemonia das grandes narrativas da modernidade, localizando seu próprio questionamento nas fronteiras dos sistemas de pensamento e de investigações até a possibilidade de modos de pensar não-eurocêntricos.

Em relação às relações e aos problemas específicos do Sul Global, os estudos pós e descoloniais têm muito a contribuir, porque esta é uma área cuja produção do conhecimento ainda se encontra largamente restrita ao paradigma eurocêntrico. O que se vê é a reprodução de uma lógica de dependência epistemológica que acaba por dificultar a construção de autênticos discursos de legitimação de demandas peculiares, a valorização de experiências e saberes culturais, e estimula a perpetuação de exclusão, conflitos violentos e discriminação.

Ao reunir pesquisadores do e/ou interessados nas epistemologias do Sul Global, esperamos enriquecer o diálogo com perspectivas e experiências extremamente diversas, criando uma rede de pesquisa que os integre e que estimule essa discussão em diferentes áreas.

Cartaz Portugues

Publicado em Contribuições da Rede | Deixe um comentário

Communication, Postcoloniality, and Social Justice: Decolonizing Imaginations

O Professor Alexandre C. C. Leite, gentilmente, avisou-nos sobre esta ótima oportunidade para a discussão sobre temáticas pós/decoloniais. Abaixo, mais informações sobre o evento.
 
Communication, Postcoloniality, and Social Justice: Decolonizing Imaginations

Fecha límite: 30/08/2014
Fecha: 26/03/2015 a 29/03/2015
Lugar: Radnor Township, Pennsylvania, USA
Organiza: Waterhouse Family Institute for the Study of Communication and Society

  

Call for papers:
Communication, Postcoloniality, and Social Justice: Decolonizing Imaginations

A four-day conference: Sponsored by the Waterhouse Family Institute for the study of Communication and Society (WFI) at Villanova University, PA, 26th-29th March, 2015, Location: Villanova University (Specifics to be announced later)

Conference Organizers: Bryan Crable; Raka Shome (Biographies of organizers presented at the end of call for papers)

Keynote Speakers: Arjun Appadurai (New York University, USA), Inderpal Grewal (Yale University, USA), and Ravi Sundaram (Center for the Study of Developing Societies, India)

Plenary Speakers: Ramesh Srinivasan (USA); Mohan J. Dutta (Singapore); Shanti Kumar (USA), Ramaswamy Harindranath (Australia); Nitin Govil (USA); John Erni (Hong Kong); Aniko Imre (USA); Radhika Parameswaran (USA); Soyini Madison (USA); Raka Shome (USA); Boulou Ebanda De B’Beri (Canada) (These are confirmed so far; we are awaiting confirmation from other speakers.)

Three Plenary Sessions: 1) Significance of postcolonial studies for communication and media research 2) Postcolonial feminist and queer approaches 3) Postcoloniality and the Global South: Logics of Modernity beyond the West/North

In the past two decades, postcolonial theory has become increasingly influential in various spaces in the Social Sciences and Humanities. Recent communication and media scholarship has also shown some interest in postcolonial frameworks. However, there has not been a focused and sustained conversation in Communication/Media Studies in the United States and we think, even outside, that has engaged the ways in which communication and media studies, and postcolonial studies can mutually inform each other in the advancement of social justice projects. The conference emerges from the recognition that diverse logics, networks, and trajectories of communication and media today (as well as in the past) play a significant role in the production of colonial power relations in contemporary globality.

The organizers of Communication, Postcoloniality and Social Justice: Decolonizing Imaginations thus invite proposals from scholars who employ postcolonial frameworks to study various communication and media phenomena—including their embedded-ness in various logics of transnationality. We are interested in exploring how communication/media scholarship, with its varied rich perspectives, may make contributions to broad field of postcolonial studies by foregrounding the importance of communication/media frameworks for understanding colonial cultures, and transnational relations. At the same time we recognize that many of the core concepts and assumptions in the fields of Communication and Media Studies are rooted in Western/Northern exclusionary intellectual frameworks. Thus, we wish to explore how postcolonial analytical frameworks may productively enrich our understandings of various communication and media phenomena and enable us to decolonize normative frameworks in the field so as to be responsive to various struggles engendered by contemporary (and past) post/colonial logics. The conference aims to provide a productive space that can facilitate dialogue and interconnections amongst scholars conducting postcolonial scholarship in communication and media studies. We also hope that this conference can provide a space for building intellectual solidarities amongst scholars in Media and Communication who are concerned with the politics of colonialisms (including their varied transnational logics) as they inform our research and influence our social, economic, cultural, and academic practices.

REGISTRATION FEES: $250 (includes some meals and coffee; specifics will be confirmed in fall, 2014)

FORMAT: We welcome proposals from scholars, activists, and researchers from various parts of the world. Papers must demonstrate an engagement with the field of postcolonial studies. (Just any descriptive study of colonialism, while suitable for other venues, will not fit the goals of this conference). Submissions must be made by August 30, 2014. Acceptance of papers will be announced sometime in October 2014. PLEASE EMAIL SUBMISSIONS SIMULTANEOUSLY TO: Bryan Crable and Raka Shome. In subject heading please write: “Submission for Communication, Postcoloniality and Social Justice conference.” Given the volume of submissions we expect to receive, we will not be able to acknowledge receipt of every submission.

Please choose any one format:
1) Panel proposals: Panels on a theme relevant to the conference are welcome. A panel should have between 3-4 panelists (including discussant. Chair may be one of the presenters, or you may select your own Chair/moderator who is not a presenter). Please submit title, panel abstract (which should include names/affiliation of participants, description and justification of panel). REQUIRED: 350 word panel description/justification, and approximately 200 words abstract of each paper to be presented.

2) Individual paper proposals: Please send an abstract of around 350 words. Name, paper title, and institutional affiliation must be included.

A statement of commitment to attend is required of all participants. Please include that in your proposal submissions.

Potential topics of interest are (and these are not exhaustive). Postcoloniality and the Global South; Feminist and Queer Approaches; Transgendered subjects and/in colonial cultures; Gay imperialism; Homonationalism; Heterosovereignities; Modernity beyond the West/North (Papers dealing with Islamic modernities from a postcolonial/transnational perspective especially welcome); Memor(ies) and Postcoloniality ; Diaspora (especially new logics of diaspora) and Hybridity; Media and Migrations; Post/colonial Visual cultures; Cultural Studies and the Postcolonial; Nation, nationalisms, national identity; Asylum and Exile; Colonial Necropolitics; Colonial Biopolitics; Subalternity and Communication (e.g., the ‘impossibility’ of communication in the politics of subalternity); Cosmopolitanism(s); Politics of Cultural Translation; Engagements with works of key postcolonial scholars in terms of their relevance for media/communication studies; Communication of “human rights;” Consumption, Cultural Industries, and Postcolonial/Transnational Power relations; Environment and the Postcolonial (papers on mediations of “climate change” are particularly welcome); Intellectual and Cultural Property Issues; Affective regimes and post/colonial relations; Celebrities and Colonialism; Materialities of colonialism; Fashion, Identity and Colonialisms; New Media; Postcolonial Urbanisms; Traveling technologies and colonial circuits; Techno-cities; Transnational Temporalities; Postcoloniality and computer cultures; Postcolonial Piracy; The “global” city; Technological Colonialisms; Science and the Postcolonial; Electronic Others; Postcolonial Securitizations; Politics of Representation; Global health and colonial relations; “Humanitarianism,” “Natural Disaster” and Contemporary colonial logics; Decolonizing Pedagogy and the field of Media/Communication Studies; The contemporary university and (the possibility of) postcolonial interventions.

  

– See more at: http://www.portalcomunicacion.com/agenda_det.asp?cal=2014-08&type=1&id=3397#sthash.CCOftYA8.dpuf

 

Publicado em Contribuições da Rede | Deixe um comentário

V Seminário Internacional América Platina: América Platina: fronteiras de diversidade, resistências e rupturas

Nossa colega, Tchella Maso, enviou-nos o convite para participar do quinto “Seminário Internacional América Platina” a ser realizado na cidade de Dourados/MS, entre os dias 11 e 13 de novembro de 2014, sob o tema “América Platina: fronteiras de diversidade, resistências e rupturas”. O mesmo constitui-se num encontro de acadêmicos e militantes sociais que buscam consolidar a integração regional, o enfoque multidisciplinar sobre a região, o intercâmbio acadêmico e cultural e a valorização do conhecimento e ação latino-americanos.

As informações atualizadas podem ser acompanhadas no sítio: http://seminarioamericaplatina.com

A chamada para o evento encontra-se abaixo:

V SEMINÁRIO INTERNACIONAL AMÉRICA PLATINA

“América Platina: fronteiras de diversidade, resistências e rupturas”

Os eixos temáticos para os quais devem ser submetidos os trabalhos são:

1. Educação, Linguagem e Literatura; 

2. Fronteiras, Processos de Integração e Dinâmicas Produtivas;

3. Resistências, Classes Subalternas e Questões Indígenas;

4. (Sub) Desenvolvimento e Dilemas Ambientais;

5. Dinâmicas, Rupturas e Movimentos Urbanos e Rurais;

6. Diversidade, Gênero e Identidades; 

7. Estado, Lutas e Pensamento Social na América Latina.

 

Resumos

Os resumos deverão ser enviados até o dia 15 de agosto de 2014 (incluso) através da página do evento, no formulário eletrônico. Eles podem ser em português ou castelhano. No resumo, deve-se indicar qual é o Eixo Temático de interesse. Serão aceitos até três (03) autores por resumo enviado, mas as inscrições serão individuais. Ao mesmo tempo, cada autor pode constar em até dois (02) trabalhos. O formulário eletrônico solicitará os dados pessoais do(s) autor(es). Eventuais dúvidas entrar em contato através do próprio sítio ou pelo e-mail: americaplatina2014@gmail.com. Este e-mail pode ser usado pelos interessados para sanar qualquer dúvida referente ao evento. As respostas serão dadas em tempo hábil e em fluxo constante.

Publicado em Contribuições da Rede | Deixe um comentário

Painel da ABRI: Subverter a Subalternização: da necessidade em transcender as fronteiras disciplinares impostas às Relações Internacionais

Nossa colega, Tchella Maso, nos fez um imperdível convite, o qual reproduzimos abaixo:

Convidamos os colegas para participar do 2º Seminário de Relações Internacionais, nos dias 28 e 29 de agosto em João Pessoa. Apresentaremos trabalho no painel “Subverter a Subalternização: da necessidade em transcender as fronteiras disciplinares impostas às Relações Internacionais”.

 

Resumo do painel

Apesar de se apresentar como um campo interdisciplinar e com uma pluralidade teórica, as Relações Internacionais desenvolveram-se sob a hegemonia do Norte global, tendo como referências de análise predominantes os conceitos de grandes poderes e a economia política ocidental. As viradas sociológica e linguística alavancaram uma diversidade de temas e enquadramentos cognitivos, que somados à realidade histórica, estimularam reinvenções dos discursos da área. No entanto, estas perspectivas, que destacam a arbitrariedade do discurso científico nas RI foram marginalizadas e deslegitimadas como alternativas de alcance limitado e que analisam questões marginais, enquanto as narrativas predominantes do campo de estudos de Relações Internacionais continuam a desenvolver “pesquisa séria” sobre as questões “realmente relevantes”. Podemos, assim, identificar o que se tornou conhecido como o grupo de “outros paradigmas” nas Relações Internacionais, uma coletânea de propostas que identificam as algemas que ligam o mainstream das Relações Internacionais a um discurso científico naturalista, racionalista e empiricista e ao método positivista, e que podem ser agrupadas em uma coletividade minoritária que se opõe às narrativas hegemônicas. O painel enfatiza a necessidade das Relações Internacionais e, mais especificamente, as Teorias de Relações Internacionais incorporarem as epistemologias, ontologias e metodologias marginalizadas em seu âmbito com legitimidade. Procuramos desnaturalizar o mainstream das Relações Internacionais, questionando o status privilegiado de algumas perspectivas e metodologias; demonstrar como este núcleo central que se autodeclara científico é dominado pela visão estadunidense das ciências sociais, dinâmica que pode ser compreendida à luz da ascensão do modelo político, econômico, social, ideológico e cultural eurocêntrico impostas com a modernidade/colonialiadade por meio de relações hierárquicas de poder e pelo epistemicídio estabelecidos a partir da expansão europeia. Abraçamos a problemática da objetividade na busca pela produção de conhecimento, que nos desafia a enfrentar a riqueza de legitimar a existência de uma pluralidade de epistemologias, ontologias e metodologias. Reconhecemos o potencial de perspectivas e racionalidades alternativas e interdisciplinares para o estudo de fenômenos das relações internacionais, inserindo em seu âmbito questões como a desigualdade, diferença, identidade, de forma a tornar este estudo efetivamente internacional, mais inclusivo e interessante do que a proposta restritiva positivista de produzir um conhecimento supostamente objetivo e neutro. Assumindo o espaço de um painel de discussão de Teoria de Relações Internacionais no âmbito da Associação Brasileira de Relações Internacionais e reconhecendo o esvaziamento de perspectivas próprias ou ancoradas nas realidades locais nos centros de pesquisa na América Latina, propõe-se uma agenda que reconheça os reflexos das relações de poder dentro da esfera acadêmica e do sistema internacional. Propõe-se aqui traçar caminhos que se orientem eticamente pela subversão da subalternização, abrindo espaço para a discussão do desenvolvimento dos estudos de Relações Internacionais no mundo e, mais especificamente no contexto do Sul global. Promove-se a discussão de perspectivas tradicionalmente marginalizadas nas Relações Internacionais, acolhendo-as e incentivando seu uso no estudo dos fenômenos internacionais para contribuir para a produção de conhecimento na área permitindo a teorização de uma ampla diversidade de atores e dinâmicas que tem estado de fora das concepções hegemônicas da área.

Publicado em Contribuições da Rede | Deixe um comentário

Simpósio 22: COLONIALIDADE E RESISTÊNCIA: A TRADUÇÃO DO SUBALTERNO NOS PROCESSOS POLÍTICOS GLOBAIS

Caríssim@s,

Nossa colega, Tchella Masso, gentilmente nos enviou a ementa do Simpósio 22: Colonialidade e resistência: a tradução do subalterno nos processos políticos globais, que faz parte da IV Jornadas Internacionais de Problemas Latino-Americanos – América Latina: lutas, experiências e debates por uma integração dos povos; que ocorrerá na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)/Foz do Iguaçu/Brasil, entre os dias 27 e 29 de novembro de 2014 (para mais informações sobre o evento, acessem: http://jornadaslatinoamericanas.blogspot.com.br/).

Abaixo, adicionamos a ementa do Simpósio e reforçamos o convite de Tchella ao envio de propostas e à divulgação do Simpósio. Reiteramos que o prazo de envio de propostas é até amanhã, dia 15 de Julho.

 

Coordenadores:

Antônio Jose Guimaraes Brito; Marcos Antônio da Silva; Tchella Fernandes Maso. Instituição: Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Resumo:

A conjuntura recente da América Latina está marcada por crises políticas, econômicas e sociais, que sinalizam os desafios históricos do continente. Em meio a atentados à democracia, déficits fiscais, reprimarização das economias e desigualdades sociais encontramos o lado obscuro da modernidade inconclusa no continente: a colonialidade. Ao passo que tal condição se perpetua, vozes dissonantes seguem existindo. Distintas mobilizações e movimentos sociais apresentam alternativas (ou alter-n-ativas) ancoradas na ética da igualdade e no respeito ao diferente. A simultaneidade característica do nosso momento histórico, verificada na coexistência de projetos políticos distintos, é propícia a avanços e retrocessos no campo da emancipação humana.

Nesse panorama, a crise das representações modernas e coloniais exige uma compreensão pluriversa da atoricidade política em suas interfaces locais, nacionais e globais. O interesse do simpósio é acessar a agencia política e seus processos a partir de diferentes perspectivas e horizontes, enfatizando os mecanismos de resistência, transgressão, insurgência, criação e invenção. Partindo de pessoas, povos e referenciais subalternizados, espera-se dialogar conhecimentos que possam ser validados em sua intervenção na realidade. Como premissa fundacional do diálogo de saberes que o simpósio espera estabelecer destacamos a existência como resistência, exemplificada na declaração do EZLN: “Con nuestro silencio nos hicimos presentes. (…) Cuando no habían cámaras, micrófonos, plumas, oídos y miradas, existíamos. Cuando nos calumniaron, existíamos. Cuando nos silenciaron, existíamos. Y aquí estamos, existiendo”

O simpósio visa reunir pesquisadores do campo das Ciências Sociais, incluindo aí Relações Internacionais, que discutem a atuação de diversos atores políticos engajados com a transformação da realidade na América Latina contemporânea. Na interface da ciência política, sociologia, antropologia e relações internacionais, a proposta visa aproximar estudiosos de diferentes localidades e estimular espaços coletivos de reflexão e debate sobre os atuais processos políticos, econômicos, sociais, culturais e identitários na esteira da colonialidade e modernidade vigentes e suas crises.

A partir de uma perspectiva interdisciplinar, espera-se reunir contribuições teóricas e empíricas sobre: 1) Colonialidade, Política Internacional e pensamento crítico latino-americano; 2) Estado, Constitucionalismo Intercultural e Representação Política; 3) Integração regional e soberania popular; 4) Pedagogias de Transgressão e a vivência em movimentos sociais na América Latina; 5) A subalternidade e a agência dos índios e afrodescentes na política global.

Os interessados devem enviar seus trabalhos para um dos eixos:

A) POVOS INDÍGENAS, MOVIMENTO E RESISTÊNCIA: a proposta do eixo é discutir os movimentos de resistência e de/colonialidade indígena emergentes nas Américas, com foco no debate da interculturalidade e o Estado, meio ambiente, etnodesenvolvimento e democracia étnica. Os processos de resistência, e os movimentos de afirmação e autonomia dos povos indígenas, entendendo como sujeitos transformadores de sua própria história. A luta pela terra e pelos direitos étnicos, e as estruturas internas de colonialidade em relação aos povos indígenas.

B) DES/COLONIALIDADE, CONFLITOS E NOVAS DINÂMICAS DA SOBERANIA POPULAR E INTEGRAÇÃO REGIONAL: Neste eixo podem se inscrever trabalhos que reflitam sobre a condição, passada e presente, da América Latina no sistema internacional, considerando sua inserção na colonialidade (enquanto projeto da Modernidade de organização temporal, territorial e societal) tal como aponta, entre outros, A. Quijano. Neste sentido, procura-se estabelecer uma reflexão que, além de analisar a realidade acima mencionada, considere os conflitos contemporâneos na região (sua natureza e dinâmica) e a emergência de novas práticas envolvendo a soberania popular e as potencialidades e desafios da integração regional.

C) PENSAMENTO CRÍTICO LATINO-AMERICANO, TEORIAS ALTERNATIVAS E DIÁLOGO DE SABERES: a proposta desse eixo é dialogar experiências e promover a acessibilidade a construções teóricas alternativas no campo das Ciências Sociais, com ênfase nas Relações Internacionais. Com o interesse de questionar o status científico do pensamento moderno/colonial/capitalista/eurocêntrico a partir da sua intervenção na realidade, o eixo espera receber trabalhos que discutam conceitos e discursos teóricos fundamentados em uma pedagogia da transgressão. Da qual espera-se extrair reflexões sobre as possibilidades e limites cognitivos da des/de/colonização do saber/poder/ser/gênero.

NORMAS EDITORIAIS

Resumos e artigos devem incluir obrigatoriamente a seguinte informação:

1. Título do trabalho: eventualmente, subtítulo aclarando / ampliando.

2. Nome completo do(s) autor(es); email de contato; instituição.

3. Breve resumo em português ou espanhol, com até 15 linhas, que especifique a

importância do artigo, seus alcances, contribuições e particularidades.

***Sem palavras-chave. Sem resumo em inglês.

 

1 Subcomandante Insurgente Marcos. “Desde las montañas del Sureste Mexicano. Por el Comité Clandestino Revolucionario Indígena – Comandancia General del Ejército Zapatista de Liberación Nacional. Diciembre del 2012 – Enero del 2013”. Disponível em: http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2012/12/30/el-ezln-anuncia-sus-pasos-siguientes-comunicado-del-30-de-diciembre-del-2012/. Acesso em fev 2014.

Publicado em Contribuições da Rede | Deixe um comentário

GT 17 – O poder colonial contestado: passado, presente e futuro do pós-colonialismo.

Caríssim@s!

Nossa colega, Luciana Ballestrin, gentilmente nos enviou a ementa do GT 17- O poder colonial contestado: passado, presente e futuro do pós-colonialismo; que compõe o IV Encontro Internacional de Ciências Sociais, a acontecer entre os dias 18 e 21 de Novembro, em Pelotas/RS (para mais informações sobre o evento, acessem: http://www2.ufpel.edu.br/ifisp/ppgs/eics/gts.htm).

Abaixo, adicionamos a ementa do GT e reforçamos o convite de Luciana ao envio de propostas e à divulgação do GT.

 

Proponentes:

Dra. Luciana Maria de Aragão Ballestrin (UFPel)

Dr. Arthur de Lima Ávila (UFRGS)

Apresentação

No âmbito do IV EICS, este Grupo de Trabalho pretende oportunizar um espaço de discussão sobre a importância epistemológica, teórica e normativa do pós-colonialismo no âmbito das Ciências Humanas e Sociais. O GT acompanha a própria vocação indisciplinada do pós-colonialismo, apostando no recebimento de propostas que transitem pelas áreas da Antropologia, Sociologia, Ciência Política, Relações Internacionais, História, Direito, entre outras afins. A oportunidade é aproveitada para dar prosseguimento aos trabalhos já inaugurados no III EICS, abrigados pelo GT “Descolonização Epistemológica e Perspectivas do Sul”.

Chamando a atenção para as continuidades e descontinuidades do poder colonial, para usar a conhecida expressão de Ella Shoat, o pós-colonialismo pretende evidenciar que tanto as colônias quanto as metrópoles foram alteradas pelo processo de, inscrevendo-se mais dramaticamente na cultura dos colonizados (Hall, 2009, p. 102)² colonização e reestruturadas pela descolonização (Loomba, 2005, p. 22)¹ extrapolado sua motivação econômica primeira, o colonialismo engendrou como sustentação e suporte um processo complexo de dominação, opressão e destruição estendido para os campos político, cultural e intelectual.

Por certo, o pós-colonialismo não inaugurou a crítica ao colonialismo e à colonização, presente em muitos escritos anticoloniais que procura resgatar e mesmo em pensadores e teóricos europeus dos séculos anteriores. Inclusive, o diagnóstico da não. Tendo superação do colonialismo e do imperialismo foi compartilhado tanto por autores pós-coloniais quanto marxistas.

Assumindo, portanto, diferentes versões e enquadramentos no interior do pós-colonialismo – do anticolonialismo histórico ao giro decolonial proposto pelo grupoModernidade/Colonialidade –, este GT receberá propostas versando sobre as mais diferentes questões:

– Anticolonialismo histórico;

– Projeto Modernidade/Colonialidade;

– Teorias e Epistemologias do Sul;

– Feminismo “terceiro-mundista”;

– Experiências, práticas e teorias sobre Descolonização;

– Eurocentrismo, Ocidentalismo e Orientalismo;

– Gênero, raça e classe;

– Movimentos sociais;

– Desobediência epistêmica;

– Contribuições latino-americanas e afro-diásporicas;

– Diálogos com pós-estruturalismo e marxismo;

– Estudos de caso e pesquisa empíricas;

– Brasil “pós-colonial” na ideia de América Latina;

– Agenda de pesquisa pós-colonial no Brasil;

– Estudos pós-coloniais: passado, presente e futuro.

Por fim, o principal objetivo perseguido por este GT é reunir os pesquisadores interessados nas abordagens pós-coloniais, tanto para o fortalecimento desta perspectiva no país quanto para a projeção de projetos e trabalhos futuros entre seus participantes.

 

1- LOOMBA, Ania. (2005). Colonialism/Postcolonialism. New York: Routledge.

2 -HALL, Stuart. (2009). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Publicado em Contribuições da Rede | Deixe um comentário